sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

http://www.cultura.gov.br

O Ministério da Cultura possui em sua estrutura regimental seis secretarias que atuam em suas respectivas competências para a elaboração e implementação de ações que objetivam garantir o acesso da população a políticas e bens culturais.
 
As atribuições da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC) são implementadas por intermédio da Política Nacional de Cultura Viva. Seu objetivo é fortalecer o protagonismo cultural da sociedade brasileira. As contribuições se concretizam principalmente no apoio a ações e projetos de entidades ou coletivos denominados Pontos de Cultura, selecionados por meio de editais públicos em parceria com estados e municípios.
 
Secretaria do Audiovisual (SAv) propõe a política nacional do cinema e do audiovisual, bem como políticas, diretrizes gerais e metas para o desenvolvimento da indústria audiovisual e cinematográfica brasileira. Formula políticas, diretrizes e metas para formação e capacitação audiovisual, produção, distribuição, exibição, preservação e difusão de conteúdos audiovisuais e cinematográficos brasileiros, respeitadas as diretrizes da política nacional do cinema e do audiovisual e do Plano Nacional de Cultura.
 
Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic) é responsável por formular diretrizes gerais e dar publicidade aos critérios de alocação e de uso dos mecanismos de fomento e incentivo à cultura e do Fundo Nacional da Cultura, em conjunto com as outras unidades do Ministério. Também desenvolve, propõe e executa mecanismos de fomento e incentivo para programas e projetos culturais, bem como executa instrumentos que envolvam transferência de recursos no âmbito de sua área de atuação. Planeja, coordena e supervisiona a operacionalização do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) na aprovação, monitoramento e prestação de contas de projetos culturais, e também do Vale-Cultura, criado pelo Programa de Cultura do Trabalhador.
 
Secretaria de Articulação e Desenvolvimento Institucional (Sadi) promove a articulação federativa e integra políticas, programas, projetos e ações culturais executados pela União, pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios, com a participação da sociedade. Além disso, a secretaria conta com o Departamento de Promoção Internacional, que subsidia, orienta e coordena os órgãos do Ministério da Cultura e suas entidades vinculadas em assuntos internacionais do campo cultural.
 
Secretaria da Economia da Cultura (SEC) tem, dentre suas atribuições, planejar, promover, implementar e coordenar ações para o desenvolvimento da economia da cultura no País, em todos os segmentos da cadeia produtiva. Compete à SEC formular, implementar e articular linhas de financiamento para empreendimentos culturais, contribuir para a formulação e a implementação de ferramentas e modelos de negócio sustentáveis para empreendimentos culturais, instituir e apoiar ações de promoção dos bens e serviços culturais brasileiros no País e no exterior, articular e conduzir o mapeamento da economia da cultura brasileira, coordenar a formulação e a implementação da política do Ministério da Cultura sobre direitos autorais e criar mecanismos de consolidação institucional de medidas e instrumentos de regulação da economia da cultura.
 
Secretaria de Infraestrutura Cultural (Seinfra) tem como objetivo construir, reformar e modernizar equipamentos culturais. Atua na conceituação e na implementação de equipamentos a partir de políticas públicas de uso cultural, com práticas de gestão compartilhada.  Entre seus principais programas e linhas de ação estão os Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs), o planejamento e implementação do programa de reforma, atualização e revitalização de equipamentos culturais e de promoção de modernização e adequação de bibliotecas, além da instalação de bibliotecas dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida do governo federal.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Minha autoria!

Que a rapidez do conhecimento e tecnologia já tornaram conta de nossas vidas é algo claríssimo, mas o impasse entre desenvolvimento tecnológico e miséria social também avançam talvez mais rapidamente, onde sociedades e conceitos outrora aceitos como corretos tornaram-se descartaveis modificando-se em milésimos de segundos em errados, e até mesmos a própria certeza do que vem a ser as coisas em seus conceitos mais primitivos se desfazem no ar, o mundo hoje, ao mesmo tempo que corre em busca do que supostamente pensam ser a sua maravilhosa liberdade, cai no abismo infinito do looping da própria mente, ficando muitas vezes estagnados sem sabe como agir diante dos problemas hodiernos.
Existem variados grupos com interesses diversos em uma sociedade, e não poucos se aproveitam do caos instalado que vem gradativamente se expandindo para toda vida humana como tentáculos de um polvo.
E a pergunta antiga do por que de tanta contradição entre o avanço tecnológico e alarmantes pobrezas sociais sempre vem a mente.
Culpa-se a educação, os educadores, o governo, os políticos, a religião, os religiosos, o próprio povo, etc...

Robôs da Ficção a Realidade

Videogame
Ficção
Tecnologia em geral
Quadrinhos
Jogos eletrônicos
Desenhos
Lógica
Cálculo
Eletrônica
Robótica
Mecanismos autômatos...


☺1495 Leonado da vinci desenhou o primeiro robô humanoide da história (projetando e desenvolvendo um dispositivo dentro de uma armadura de cavaleiro);
☺No séc XVIII (Rev. Industrial) houve a possibilidade de automação;
☺1924 nasce o primeiro robô de Roy J. Wensley, controlado por telefonia;
☺George Devol projeta o primeiro robô automático; então os robôs passam a serem usados em fábricas automobilísticas;
☺1966 Primeiro programa de inteligencia artificial (braço mecânico).


Áreas: Eletrônica (Programa, circuito,sistema nervoso robótico);
           Mecânica (partes do movimento, dinamica, forças, processos mecanicos
           Designer (projeto, soluções de problemas e protótipos, definir materiais e formas para otimizar funções).


Isaac Asimov e as 3 leis da robótica:
☺  não ferir um ser humano, nem permitir que o ser humano sofra algum mal;
☺ obedecer ordens de seres humanos exceto aquelas contrarias a primeira lei;
☺ deve proteger sua existência sem entrar em conflitos com as leis anteriores.

Lei 0: Um robô não pode causar mal a humanidade ou deixar que esta sofra algum mal.